Um alô do Julinho

Aqui é o Julinho, namorado do Lu! Decidi enviar esta mensagem para vc para fazer uma surpresa:

Primeiro: que fico super contente de poder dividir momentos tão agradáveis com vc, que é uma pessoa ma-ra-vi-lho-sa, cheia de vida, inteligente…e eu poderia continuar rasgando seda aqui até o pé dessa mensagem (hehehe). E não estaria simplesmente jogando palavras ao vento, eu realmente acho isso. Vc me inspira de uma forma poderosa: adoro vê-la exibindo uma forma física e disposição invejável, sambando depois de um rali de “apenas” 4 horas de duração… adoro saber que tem uma porção de namorados e um namorado de seis anos, menos pela quantidade de amantes e muito mais pelo prazer de ver sua gana pela vida. Isso me encanta e, especialmente neste momento mais sensível da minha vida, me motiva demais. Então, mais do que rasgação de seda este é um agradecimento por colaborar, desta forma, com o meu processo de transformação. Eu brinco que eu era um homem e estou deixando vir à tona o meu homão(hehehe). Um pouco a mudança da largata em borboleta… hehehe.

Segundo: que adorei seu trabalho como ceramista. Não sou muito de falar coisas que eu não entendo direito ou de sentimentos que não se mostram claros. Prefiro ficar com eles por um tempo, destilando-os até compreendê-los. Por isso não dei um retorno aquele dia em que conheci seu trabalho. Temo as palavras, sabe? Talvez seja um exagero besta de jornalista que tem como ofício o cuidado com as palavras. Então, agora vai:  chamou muito a atenção como você constrói um trabalho escuro, num ambiente que é luz, branco, tão claro. É como se você saísse da racionalidade (o mundo das idéias) e se embrenhasse nas vísceras, num caldo ancestral, que é meio África, meio terra, meio instinto, um material quase do inconsciente. Isso me fascinou. A história das inspirações da Nasa também me chamaram a atenção porque você parte daquilo que, supostamente, é futurista e constrói algo que é “primitivo”, motivos que lembram inscrições rupestres, uma viagem em que os tempos (passado, presente e futuro) se misturam ganhando outra dimensão. É uma constelação XPTO próxima a Marte, mas que lembra o solo erodido do Nordeste ou as dunas do Saara, não importa. O que importa é que suas peças fazem alusão ao espaço de que todos nós viemos. Inevitavelmente, viajei no meu tempo e me conectei com a minha ancestralidade, em busca do que passou para dar forma ao meu próprio barro. Em outras palavras: buscar na minha história os elementos que precisam ser revividos, remodelados e, mais que tudo, aceitos como parte da beleza da minha humanidade. Isso tudo, mais uma vez, dona Nádia, veio desta sua fonte inspiradora.

PS: Fiquei muito surpreso com a qualidade de seu trabalho e, certamente, vou me tornar seu cliente loguinho. Tem umas pecinhas que me são prediletas e quero tê-las comigo. Depois combinamos uma visita ao seu ateliê para as minhas comprinhas, ok?

Um abração gostoso do Julinho.

Espero tomar umas caipirinhas em breve contigo.

Atêlie Matéria da Terra - Esculturas e Cerâmicas - cel.: +55 11 9915 9910
Copyright 2019 - Nadia Saad - Todos os direitos reservados